Podemos aceitar nossas diferenças - é melhor do que matar um ao outro.

  • Os seres humanos são psicologicamente programados a temer as diferenças
  • Vários estudos recentes mostram evidências de que os espaços digitais exacerbam a psicologia que contribui para o tribalismo
  • Experiências de terror compartilhadas, como viagens espaciais, ou mesmo simples refeições compartilhadas, têm efeitos surpreendentes para unir grupos opostos.

O ano foi tenso para dizer o mínimo.

Manifestações nas ruas, engajamento no exterior em uma guerra de longa data, e uma sensação de que o tecido que nos une está puxando as costuras.

Ainda assim, uma única frase fala de nossa capacidade de nos unir: "Obrigado por salvar 1968".

Essas palavras de gratidão - destacando-se contra o pano de fundo de um ano tumultuado - chegaram por meio de telegrama na NASA, meio século atrás, após a bem-sucedida viagem da Apollo 8 ao redor da lua. Mas a lição deles se aplica hoje.

Pesquisas emergentes nos campos da psicologia e da neurociência demonstram que muitas vezes precisamos de uma experiência compartilhada de terror, humor ou esforço físico para ajudar a transcender nossas diferenças. Felizmente, não é necessário uma viagem ao redor da lua para unir as divisões mais profundas - até mesmo conversas sobre uma xícara de café ou uma refeição podem nos lembrar da humanidade uns dos outros.

O que isso significa para a liberdade de expressão? Tudo, aparentemente.

Nós somos programados para censurar o que não é familiar.

A primeira resposta dos nossos cérebros à diferença não é a curiosidade, mas o medo ou o desprezo. Em um experimento de meados do século 20 chamado "Robber's Cave", os pesquisadores reuniram dois grupos de meninos demograficamente idênticos, classificando-os aleatoriamente em dois grupos, dando a cada um deles alguns dias para formarem laços entre suas "tribos" e depois lançaram uma competição de beisebol. Os meninos rapidamente começaram a generalizar sobre o outro time e desenhar distinções que não existiam.

Mesmo sem qualquer razão particular para estar em desacordo, o experimento revela que as pessoas estão preparadas para entrar em grupos "dentro" e "fora". No espetáculo que a política pode às vezes se encontrar, podemos ver como é fácil para os americanos caírem nessa armadilha. A tendência não é exclusiva de nenhuma tribo política. Uma pesquisa recente do Instituto Cato encontrou pelo menos uma coisa que a esquerda e a direita concordam. Ambos querem silenciar alguém, apenas porque discordam dela.

À luz de tudo isso, o que testemunhamos nos últimos meses pode não parecer surpreendente, mas ainda assim é preocupante. Outros exemplos estão prontamente disponíveis em ambos os lados do corredor: líderes eleitos e nomeados vaiados em restaurantes, jornalistas que recebem ameaças de morte, e bombas enviadas pelo correio para figuras públicas vilanizadas por ativistas radicais. Confiar na intimidação para silenciar as pessoas vai além da censura. É abominável.

Agora, pegue essa tendência e aplique-a na paisagem digital emergente.

A mesma tecnologia que tornou possível conectar pessoas instantaneamente em grandes distâncias também pode agravar nossos instintos divisórios. Um estudo recente descobriu que quando os indivíduos confrontam diferentes perspectivas on-line, as novas informações fortalecem ainda mais suas crenças existentes e aumentam o ceticismo da visão oposta. Agora também é mais fácil do que nunca optar pelo que o presidente do conselho de administração e guru digital da MoveOn.org, Eli Pariser, chama de "bolhas de filtro" - escolhendo cercar-se de comunidades homogêneas e substituindo a interação diversa e presencial com o engajamento digital.

Então, o que fazemos sobre isso?

A crescente divisão e polarização que nosso mundo experimenta é o resultado de muitos fatores - muitos provavelmente não totalmente compreendidos ou ainda desconhecidos. As soluções a longo prazo serão tão complexas quanto os humanos em sí.

Mas podemos, entretanto, progredir de maneira surpreendentemente simples. As pessoas estão cheias de potencial. Os indivíduos podem desempenhar um papel essencial em ajudar as comunidades fraturadas a curar e transformar o medo em curiosidade ao encontrar outras ideias, culturas e perspectivas. Temos a oportunidade de aprender com as diferenças uns dos outros.

Uma década atrás, em outro vôo espacial, a tripulação da Estação Espacial Internacional se reuniu para uma refeição. Os astronautas vieram de diferentes origens: iranianos, russos, americanos e outros - indivíduos que compartilhavam que, de outra forma, poderiam ter lutado para encontrar um terreno comum na Terra. Mas quando eles quebraram o pão congelado) juntos enquanto observavam a Terra passando, eles experimentaram uma "profunda experiência emocional de interconexão".

Não leva gravidade zero. Basta iniciar uma conversa enraizada no profundo respeito pela dignidade inerente de cada um. Seja a mudança que você quer ver neste minúsculo ponto azul.

Fonte:bigthink.

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Destaques

Mais Lidos