Sentar pode encolher a parte do seu cérebro ligado à memória

Pode ser a hora de abandonar a cadeira: um novo estudo relaciona sentar-se muito todos os dias com problemas de memória em adultos de meia-idade e idosos.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA) descobriram que longos períodos de comportamento sedentário - como passar o dia todo na cadeira da sua mesa - estavam ligados a mudanças em uma parte do cérebro adulto que é crítica para a memória.

Pesquisas anteriores associaram o comportamento sedentário a um aumento do risco de doenças cardíacas, diabetes e morte prematura em adultos de meia-idade e idosos. O novo estudo, publicado ontem (12 de abril) na revista PLOS One, se baseia nisso, concentrando-se nos impactos da inatividade no cérebro, de acordo com uma declaração dos pesquisadores.

Especificamente, o novo estudo ligou o comportamento sedentário ao afinamento do lobo temporal medial, uma região do cérebro envolvida na formação de novas memórias, disseram os pesquisadores no comunicado. O emagrecimento o cerebral pode ser um precursor do declínio cognitivo e da demência em adultos de meia-idade e idosos.

O estudo incluiu 35 pessoas entre as idades de 45 e 75 anos. Os pesquisadores perguntaram aos participantes sobre seus níveis de atividade física e o número médio de horas por dia que passaram sentado na semana anterior.

Então, os pesquisadores examinaram os cérebros dos participantes. Usando uma ressonância magnética de alta resolução, os cientistas analisaram detalhadamente o lobo temporal medial de cada participante e identificaram as relações entre a espessura desta região, os níveis de atividade física dos participantes e seu tempo sentado, de acordo com o estudo.

Os resultados mostraram que sentar por longos períodos de tempo estava intimamente associado com desbaste no lobo temporal medial, independentemente do nível de atividade física. Em outras palavras, o estudo sugere que "o comportamento sedentário é um preditor significativo de adelgaçamento do lobo temporal medial e que a atividade física, mesmo em níveis elevados, é insuficiente para compensar os efeitos nocivos da postura sentada por períodos prolongados". disse no comunicado.

Os participantes relataram que passaram de 3 a 7 horas, em média, sentados por dia. Com cada hora de sessão todos os dias, houve uma diminuição observada na espessura do cérebro, de acordo com o estudo.

E, embora o estudo não tenha encontrado correlações significativas entre os níveis de atividade física e a espessura do lobo temporal medial, os pesquisadores disseram no comunicado que "reduzir o comportamento sedentário pode ser uma solução possível para intervenções destinadas a melhorar a saúde cerebral em pessoas com risco de doença de Alzheimer".

Os pesquisadores notaram que o estudo não provou que sentar levou a estruturas cerebrais mais finas, mas encontrou uma associação entre sentar por longos períodos de tempo e desgastar estruturas.

Além disso, os resultados são preliminares e, embora o estudo tenha focado em horas gastas sentadas, não levou em consideração se os participantes faziam intervalos durante longos períodos de comportamento sedentário. Isso, segundo os pesquisadores, pode ser uma limitação de seus resultados.

Indo adiante, os pesquisadores disseram que planejam pesquisar pessoas que se sentam por períodos mais longos de tempo a cada dia, a fim de determinar se sentar causa o desgaste observado. Eles também gostariam de explorar o papel que o gênero, o peso e a raça desempenham no efeito sobre a saúde do cérebro ao se sentar, de acordo com a declaração.

 

Fonte:Livescience

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Mais Lidos