Quer ajudar a combater as alterações climáticas? Tente ser 'flexitariano'.

Se haverá ou não ilhas tropicais em 50 anos pode depender se podemos ou não comer menos hambúrgueres.

 

  • Resultados de pesquisas recentes sugerem que temos cerca de 12 anos para manter o aquecimento global em 1,5 graus Celsius. Se não pudermos, então a quantidade de gases de efeito estufa liberados para a atmosfera terá ciclos compostos de respostas que aquecerão progressivamente o planeta.
  • Um dos maiores culpados pelo aquecimento do planeta é a produção de carne bovina e ovina.
  • Qualquer um poderia ajudar a prevenir a mudança climática consumindo menos carne e ovelhas, ou cortando-as completamente.

Não é legal quando problemas complicados têm soluções simples? Veja, por exemplo, nossas dietas. Há uma quantidade enorme de pesquisas sobre o que se passa em uma dieta saudável, e modismos como as dietas Atkins, keto e paleo, todos afirmam ser a maneira mais fácil, melhor e mais verdadeira de perder peso e permanecer saudável. Mas, na verdade, toda a informação crítica que alguém precisa para se manter saudável foi resumida em sete palavras pelo jornalista Michael Pollan: "Coma comida. Não muito. Principalmente plantas."

Fácil! Agora você não precisa comprar novos livros de dieta a cada cinco anos. Mas essas sete palavras também podem ser uma resposta simples para um problema ainda mais complexo: a mudança climática.

Em outubro de 2018, o Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas divulgou um relatório extremamente sombrio. Nele, os pesquisadores escreveram que a humanidade tem apenas 12 curtos anos para mudar nosso comportamento a fim de limitar o aquecimento global a um tolerável - embora ainda perigoso - 1,5 grau Celsius. Se não pudermos fazer isso, podemos dizer adeus aos recifes de corais e dizer “olá” a eventos climáticos cada vez mais extremos, elevação do nível do mar entre 33 e centenas de metros e um equador muito quente para a maioria das formas de vida.

O QUE PODEMOS FAZER?

Pode parecer que um indivíduo não pode fazer muito para fazer uma contribuição. Mas, felizmente, mudar sua dieta é algo que todos podem fazer. Com base nas conclusões do relatório, podemos reduzir drasticamente as emissões e a poluição se mudarmos para o "flexitarianismo".

O flexitarianismo é apenas uma forma flexível de vegetarianismo. Você não precisa desistir da carne, basta seguir a última parte do conselho de Michael Pollan: na maior parte, coma as plantas. Se isso não parece viável, ainda podemos comer principalmente carne, desde que tomemos mais cuidado com o tipo de carne que comemos.

"A carne bovina é 100 vezes mais poluente que as leguminosas. [...] Isso porque uma vaca precisa, em média, 10 kg de ração, geralmente de grãos, para produzir 1 kg de peso corporal, e essa ração exigirá cargas de água, terra e fertilizantes para crescer ".

Enquanto digerem essa alimentação intensiva em recursos, vacas e ovelhas emitem metano, um gás de efeito estufa que é 30 vezes mais potente que o dióxido de carbono.

Então, seja limitando a quantidade de carne e ovelha que eles comem ou cortando tudo, o José médio pode ter certeza de que ainda haverá ilhas no Caribe para seus filhos visitarem. Aqui estão algumas técnicas ‘flexitarianas’ que podem ajudar.

COMO SER UM FLEXITARIANO

Como o gráfico acima mostrou, comer carnes de baixo impacto pode fazer uma grande diferença. Frango, porco e peixe contribuem com quantidades relativamente pequenas de gases de efeito estufa, e são mais saudáveis ​​que a carne bovina.

Para aqueles que não conseguem abrir mão de um hambúrguer, experimente um hambúrguer de carne de cogumelos. Os cogumelos retêm a água, têm uma textura carnuda e também empacotam aquele sabor delicioso obtido da carne bovina. Misturar cogumelos na carne moída em um hambúrguer é uma excelente combinação que você pode até mesmo gostar mais do que um hambúrguer 100 por cento de carne animal. Além disso, se apenas 30% de cada hambúrguer vendido nos Estados Unidos fosse feito de cogumelos, teria o mesmo impacto que tirar 2,3 milhões de carros das ruas, reter o equivalente a 2,6 milhões de americanos em consumo de água e liberar uma parte de terras agrícolas maiores do que o estado de Maryland.

Há também muitos hambúrgueres alternativos sem carne. A carne bovina produzida em laboratório, está apenas começando a ser servida em restaurantes. Além disso, empresas como Memphis Meats, SuperMeat e Mosa Meats estão vendendo carne bovina feita em laboratório.

Os corajosos também podem tentar comer hambúrgueres de insetos, que são tipicamente feitos de uma mistura de grão-de-bico e larvas de farinha. Se você estiver se sentindo experimental, tente encontrar um lugar que ofereça a "bolinha de nata" baseada em larvas de farinha como uma alternativa às almôndegas clássicas suecas. E, claro, há muitos hambúrgueres vegetarianos sendo vendidos.

Seria ótimo se conseguíssemos convencer a indústria a parar de poluir, se pudéssemos mudar nossa rede elétrica para um sistema totalmente renovável, ou se todos os carros fossem elétricos. Com o tempo, poderemos realmente realizar algumas dessas metas, mas elas exigirão um esforço coordenado e persistente. Enquanto isso, o flexitarismo pode ser a melhor coisa que qualquer pessoa pode fazer para prevenir as mudanças climáticas.

Fonte:bigthi

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Mais Lidos