Quem foi John Ruskin [1819 - 1900]?

Um dos grandes visionários do século XIX ...

Artista, crítico, especialista em estética e ética, pensador, vidente, esse revolucionário social desafiou os fundamentos morais da Inglaterra vitoriana. Ele desprezava o capitalismo e os bárbaros que sabem o preço de tudo e o valor do nada.

 

Ruskin acreditava no poder da arte de transformar a vida das pessoas oprimidas mais pelo analfabetismo visual do que pelas más condições materiais. Seu desejo apaixonado era abrir os olhos das pessoas para as belezas livres ao seu redor - pôr do sol, luz suave do amanhecer, penas iridescentes, cristais naturais espetaculares, folhas verdes contra o céu azul, nuvens, a vitalidade da arquitetura e ornamentos góticos. Seu credo foi: "Não há riqueza além da vida".

Conservacionista pioneiro, que previu o 'efeito estufa' mais de um século atrás, Ruskin inspirou o estabelecimento do The National Trust e os fundadores do movimento Parques Nacionais.

Ele foi um dos primeiros a ver um galho como uma árvore em miniatura, um cristal de rocha como uma montanha em miniatura - idéias agora incorporadas na 'geometria fractal' da Teoria do Caos.

Ruskin era um verdadeiro polímata. Seus interesses eram variados, desde suas investigações sobre a estrutura geológica dos Alpes até a observação dos efeitos malignos da Revolução Industrial sobre a atmosfera e a poluição do meio ambiente e das almas dos homens, desde a defesa do gênio de Turner até a percepção de que a arte e a arquitetura de um lugar são um reflexo de sua condição social e moral em um determinado momento no tempo.

Ele via a arte como uma expressão da moralidade, identificando a arte 'boa' com a arquitetura medieval - especificamente gótica -, quando o melhor trabalho foi produzido por artesãos que eram membros honrados e responsáveis ​​de uma comunidade em si não escravizados por valores corruptos e materialistas. Isso foi simbolizado pela luta épica de São Jorge com o dragão [do capitalismo]. Arte não era mero passatempo para Ruskin. Sua arte sempre foi proposital, parte integrante de seu pensamento em todos os assuntos. Ele visualizou suas idéias. Ele pensou visualmente. Ele elaborou suas idéias através do desenho. Ele odiava a tendência crescente de especialização e se recusava a separar uma área de interesse e envolvimento de outras. Para Ruskin, a especulação sobre princípios dependia da observação de particularidades.

A série é o processo de pensamento mais forte de Ruskin. Ele se divertiu ao reunir uma série potencialmente interminável de associações em um tópico 'imaginário' e teve ótimas

‘Deleite nos bordados, complexidade da involução, - as andanças labirínticas da pista, continuamente perdidas, continuamente recuperadas. . . '

Ele era um personagem de grande fascínio e complexidade. . . composto de contradições:

“inteligência e tolice; puritanismo e uma sensualidade refinada; egoísmo e extrema generosidade. . . O drama central de sua vida, o do estético mimado que gradualmente toma consciência da injustiça social e, como resultado, sacrifica sua reputação, sua riqueza e, finalmente, sua sanidade, é tão comovente quanto qualquer coisa na ficção. . . Deveríamos ler Ruskin pela própria qualidade de sua mente. . . a recusa dele em considerar qualquer faculdade humana isolada.” [Kenneth Clark]

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Mais Lidos