A mudança global pode piorar o conflio global?

Há uma região no Oriente Médio conhecida como o Crescente Fértil. Inclui partes do que hoje são a Turquia, o Iraque e a Síria. Nos tempos antigos, era conhecido como o berço da agricultura. Mas a área não é mais tão fértil. Os pântanos que cobriam grande parte da área secaram em grande parte. Entre 2007 e 2010, a região teve pouca chuva. Ela sofreu a pior seca desde que os cientistas começaram a manter registros aqui.

A mudança climática não causou a seca, mas provavelmente piorou. As colheitas falharam. As pessoas passaram fome. Muitas pessoas mudaram-se das áreas rurais para as cidades, aglomerando-se nas áreas urbanas.

Um ano depois, eclodiu a guerra civil na Síria. Essa guerra ainda está sendo travada hoje. A mudança climática foi responsável pelo conflito? Os cientistas nem todos concordam. Mas muitos estudos sugerem que tais conflitos podem se tornar mais prováveis ​​em comunidades estressadas pelos extremos climáticos que se espera que surjam em um mundo em aquecimento.

Sherri Goodman é especialista em segurança e membro do conselho do Centro de Clima e Segurança em Washington, D.C. “A mudança climática é um multiplicador de ameaças”, diz ela. "Isso agrava as tensões existentes em todo o mundo", explica ela. "E piora as ameaças existentes".

 

E a Síria?

Goodman aponta para a Síria como um bom exemplo. Quando fazendeiros e pastores se mudavam para as cidades, não havia comida, água e moradia suficientes para todos. Isso somado aos problemas políticos existentes. E isso enfatizava as pessoas, deixando-as irritadas, assustadas e tensas.

“Havia muitas forças na mistura”, diz ela. "Mas está bem documentado agora que a seca agravada pelo clima foi um dos fatores que levaram à agitação que vimos naquele país".

Ao fazer com que as pessoas se mudem dentro de seus países de origem ou para novos, o clima extremo e o aumento do nível do mar podem ser fatores desencadeantes de conflitos. E em regiões como o Ártico, o derretimento do gelo marinho pode levar a potências mundiais competindo pelo controle de cursos d'água e recursos naturais, acrescenta Goodman.

Mas não devemos ser rápidos demais para assumir que a mudança climática está causando a guerra, alguns especialistas alertam. As pessoas muitas vezes exageram a ligação entre clima e conflito, diz Jan Selby. Ele é professor de relações internacionais na Universidade de Sussex, na Inglaterra.

Selby investigou alegações de que a mudança climática levou à guerra civil na Síria. Muitos estudos simplificaram a situação, ele descobriu. Eles assumiram que a seca era a maior razão pela qual as pessoas se mudavam para as cidades. De fato, sua equipe descobriu que causas maiores eram a pobreza, o esgotamento dos recursos de água subterrânea e o conflito nas fronteiras da Síria. E isso não foi tudo. Certas políticas governamentais expandiram a indústria agrícola além de sua capacidade. Por exemplo, observa ele, projetos financiados pelo governo para construir uma infraestrutura agrícola maciça criaram pressão para aumentar a produção de trigo além do que era sustentável.

Isso também é verdade para outros estudos de clima e conflito, diz Selby. Mudanças no clima, especialmente a seca, muitas vezes são responsabilizadas pela migração e agitação social. "Isso está errado", diz ele.

De fato, mesmo em áreas rurais em desenvolvimento, fatores econômicos globais desempenham um papel. Quais tipos de fatores econômicos? Ele está se referindo a mudanças nos preços de combustível e fertilizantes, por exemplo. Aqueles podem prejudicar a renda de um agricultor. O mesmo acontece com os custos mais elevados de transporte de produtos agrícolas para o mercado. E os impostos colocados pelos governos locais ou milícias podem levar os agricultores ao limite. "Muitas vezes", diz ele, "os analistas ignoram isso e equivocadamente tratam a seca como a variável principal".

Colin Kelley tende a concordar. Ele é cientista do clima no Instituto Internacional de Pesquisa para o Clima e a Sociedade. É na Columbia University, em Nova York. Kelley também é autor de um estudo fundamental sobre o papel da seca relacionada ao clima na guerra civil na Síria.

“Existem muitas maneiras pelas quais o conflito pode ocorrer. E tudo isso era verdade para a Síria ”, observa ele. Mas, acrescenta, neste caso, fica claro que o estresse ambiental se soma a outras pressões.

O estudo de Kelley encontrou sinais claros na Síria de que a mudança climática agravou a seca na região. Ele também descobriu que a crise agrícola que isso causou adicionou às pressões sobre um país já instável. "Todas essas coisas estão relacionadas", diz ele. Se você olhar apenas para um deles, "você está apenas obtendo parte da imagem".

 

Pode haver preconceito também

Ainda há muita gente que não sabe sobre como o clima pode estar ligado ao conflito, diz Tobias Ide. Ele trabalha no Instituto Georg Eckert em Braunschweig, Alemanha. Lá, ele estuda questões que desempenham um papel na paz e no conflito.

Concentrar-se apenas em áreas violentas pode fazer com que a conexão entre clima e violência pareça mais forte, argumenta ele. Se o objetivo é aprender como se adaptar com sucesso às mudanças climáticas, os cientistas devem olhar para uma ampla gama de exemplos, diz ele.

Ide está agora focando sua pesquisa nos esforços de construção da paz ambiental. São programas nos quais os desafios ambientais compartilhados realmente unem os países. Nestes locais, as pessoas cooperam para resolver seus problemas.

“Mesmo sob pressão e estresse ambiental”, observa ele, “há casos em que pessoas, grupos ou comunidades, que estiveram em conflito no passado, se unem e gerenciam esses desafios cooperativamente”.

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Mais Lidos