O que você precisa saber sobre Michel Foucault

Todos que conhecem o nome “Michel Foucault” ouviram algumas coisas desagradáveis ​​sobre o homem. Se o seu rótulo “pós-moderno” não é suficiente para matar o interesse de alguém, há histórias sobre sua imprudência (ou malícia) depois de contrair AIDS, sua frequência em balneários gays sadomasoquistas e assim por diante. O rosto sem cabelo de Foucault é um ícone da perversão do século XX e a vontade nietzschiana de dominar.

Mas ele vale a pena ser lido por pelo menos duas razões.

 

 

Primeiro, o trabalho de Foucault foi extremamente influente na academia americana. Mesmo que essa influência tenha se tornado menos aparente nos últimos anos, quanto mais o sistema se afastou do relativismo pós-moderno em direção a um ressurgente racionalismo científico anti-metafísico, as atitudes de Foucault (doença mental, sexualidade, identidades periféricas, dinâmicas de poder e cultivo da individualidade) não só estão se tornando mais populares, mas se tornaram a norma em grande parte de nossa sociedade. Se Judith Butler é o coração pulsante da Teoria Queer, então Michel Foucault é o seu espírito. Juntos, seu impulso para a subversão e a desconstrução genealógica é provavelmente a força transformadora-chave na vida ética dos americanos privados hoje em dia.

Ler Foucault sobre sexualidade e perversão é ver o ponto final lógico do movimento de libertação sexual e compreender claramente alguns de seus princípios internos mais elusivos.

Segundo, vale a pena ler Foucault porque em muitos pontos ele apresenta algo muito próximo da verdade. Suas análises da gênese e transformação de diferentes modos de conhecimento, exclusão social e comportamento intelectual muitas vezes atingem o alvo. Resgatando sua rejeição dos transcendentais por uma ontologia cambiante das relações de poder, o relato de Foucault sobre a sociabilidade humana e a relação entre poder e conhecimento é extremamente apropriado em um mundo marcado pelo pecado original. Ele é um bom parceiro de conversa e um crítico versátil, e mantê-lo em mente ajudará a aguçar suas próprias idéias e mantê-lo honesto sobre as raízes de seus conceitos filosóficos favoritos.

As obras de Foucault retornam frequentemente aos conceitos de poder, conhecimento e formação de ordem. Em sua History of Madness, Foucault traça a relação entre a loucura e diversas formas de ordem moral e social, desde o século XV até a era de Freud. O que torna o trabalho peculiar como uma história da psicologia é sua recusa em privilegiar as taxonomias psicológicas e as estruturas diagnósticas posteriores em detrimento daqueles que trabalham em períodos anteriores.

Uma outra peculiaridade é uma das principais teses do livro: a alegação de que a loucura não é uma característica estável de mentes objetivamente desordenadas, mas um conjunto inconstante de experiências e estruturas pelas quais um “outro” terminal é separado do resto da sociedade para tornar possível a própria ordem interna da sociedade. A exclusão e isolamento do louco é um processo positivo e historicamente contingente pelo qual a razão se define. Foucault conclui que, no século XIX, figuras como Sade, Goya e Nietzsche viraram a mesa da racionalidade moderna e lançaram as bases para um novo tribunal no qual a própria racionalidade poderia ser levada a julgamento perante o tribunal da loucura.

A ideia de loucura é um bom ponto de entrada para o resto do trabalho de Foucault. Assim como na História da Loucura ele procura encontrar as raízes históricas contingentes de um fenômeno aparentemente objetivo e universal, ao longo de seu corpus Foucault se ocupa das estruturas e tecnologias ordenadoras que dão origem aos sistemas de conhecimento / discurso e consequentemente aos objetos com os quais esses sistemas estão em causa. Suas investigações são em grande parte estruturalistas em tenor: como as distinções e limites dentro de nossas taxonomias tornam possíveis as experiências e objetos que povoam a realidade? Quais conjuntos alternativos de diferenças, que modos alternativos de ordem são possíveis? Já existiu historicamente? Pode surgir do colapso do sistema atual?

Cada livro sucessivo assume um objeto particular de conhecimento ou instituição política (loucura, hospitalização, as ciências humanas, aprisionamento, sexualidade) e realiza uma escavação "arqueológica" de suas raízes históricas. Inicialmente, essas investigações são amplamente dominadas por modos de análise quase-estruturalistas e quase-fenomenológicos - muito é feito de teorias cambiantes de gramática e taxonomia em A Ordem das Coisas, e há amplas discussões sobre modos de experiência na História da Loucura - mas à medida que Foucault amadurece, a influência dos estruturalistas desaparece e é substituída por seus verdadeiros amores: Martin Heidegger e Friedrich Nietzsche.

O famoso ensaio de Foucault, "Nietzsche, Genealogia, História", esclarece sua relação com Nietzsche. O próprio Foucault descreveu seu trabalho como uma continuação do projeto genealógico de Nietzsche. No entanto, ao contrário de Nietzsche, Foucault rejeita toda a hermenêutica da profundidade e insiste em permanecer no nível do cotidiano, restringindo sua análise aos “fenômenos superficiais” sem qualquer redução a uma vontade ou intenção secreta governando a história. Como em Nietzsche, o poder é uma preocupação central na genealogia foucaultiana, mas aqui o poder não é uma vontade oculta de dominação. Em vez disso, Foucault a define como o campo das relações de força pelas quais a ordem é sustentada e transformada, e a composição dessas relações em sistemas e instituições. O poder não é soberania, mas a diferença, e o surgimento de diferenças dentro do campo das relações de poder é o que impulsiona a mudança e cria novos objetos de experiência, novas lutas, novas realidades.

A concepção de poder de Foucault está tão ligada à visão estruturalista das raízes do significado na diferença quanto à compreensão de Heidegger sobre o que permite que os objetos surjam no cotidiano preocupante da existência humana. Sistemas de valor e preocupação impulsionam a ramificação de distinções em discursos particulares (considere a conexão entre os requisitos para cargos efetivos e mudanças geracionais na pesquisa acadêmica) e, em última análise, mudam a orientação do conhecimento em geral.

Para Foucault, as relações de poder transformam o “senso comum”, criam amplos sistemas de preconceito e determinam os sistemas padrão de valor e consciência dentro da sociedade. A análise das relações de poder e seu impacto na formação de estruturas discursivas é a maior contribuição filosófica de Foucault, e vale a pena ler - se não por outra razão - simplesmente pelas espécies de crítica que esse modo de análise possibilita.

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Destaques

Mais Lidos