Parar de ver o trabalho como uma ‘troca de tempo por dinheiro.'

Cerca de um mês antes de me formar na faculdade, percebi que precisava conseguir um emprego de verdade.

 

Tipo, em breve.

Mesmo tendo 22 anos para processar este fato, ele ainda me surpreendeu. Talvez uma vida inteira em um sistema educacional construído para a Era Industrial tenha feito pouco para me preparar para a realidade do trabalho moderno. Ou talvez eu fosse muito imaturo para aceitar isso. Provavelmente, foi um pouco dos dois.

Lembro-me de sentar em um bar com meu colega de quarto quando ele casualmente me perguntou onde eu estava planejando morar depois da formatura. Eu não tive resposta. Eu apenas sentei lá olhando para a minha cerveja de $ 1 dolar (as cidades universitárias são as melhores), me perguntando como a parte divertida da vida tinha voado tão rápido.

Então, eu saí e fiz o que qualquer pessoa de 22 anos de idade semi-inteligente, moderadamente privilegiada e um tanto preguiçosa faria: liguei para meu tio e pedi um emprego.

Três semanas depois, eu apareci no meu estágio de marketing em calças cáqui recém-passadas e uma camisa recém-comprada da Brooks Brothers. Me fizeram uma excursão, me deram um laptop e um cubículo.

Eu olhei para o meu relógio: 9:43 da manhã

"Oh Deus", pensei. "Eu tenho que fazer isso por 40 horas por semana pelos próximos 40 anos, só assim eu posso ter dinheiro suficiente para pagar pelo meu apartamento de baixa qualidade."

No lado positivo, havia café grátis. E eu só tiria que trabalhar mais 4,8 milhões de minutos até a aposentadoria.

Negociar seu tempo por dinheiro é um plano ruim

Essa visão do trabalho é problemática por dois motivos:

  • Inerente à natureza transacional desse arranjo está a ideia de que você preferiria estar fazendo outra coisa com o seu tempo.
  • Você não está recebendo nada em troca de seu trabalho, além de um salário.

Durante a maior parte da minha vida, vi o trabalho como algo que você tinha que fazer. Eu não acho que os adultos explicitamente me disseram isso, mas suas ações diziam muito. Meus pais (que, para ser claro, me deram a melhor infância imaginável) trabalharam arduamente e nunca reclamaram - mas nunca disseram muito sobre apreciar o trabalho deles também. Meu pai passou por um árduo caminho na maior parte de sua carreira, para que então minha irmã e eu pudéssemos morar em uma boa casa e frequentar uma boa escola. Na maioria dos dias, ele saia para o trabalho antes do sol nascer e ele não exatamente saía para se exercitar. Eu acredito que minha mãe realmente amava ser professora, mas ela ainda contava os dias até as férias de verão. A mensagem era: os dias que mais esperamos são aqueles em que não trabalhamos.

Ao longo de nossas infâncias, muitos nos disseram que éramos privilegiados e tivemos sorte de não ter que nos preocupar com coisas como o trabalho. Como isso pode não distorcer nossa visão do trabalho? Não é perdoável querer evitar algo que soa como punição?

Por estas razões, eu corrijo meus filhos quando eles dizem: "Você tem que ir trabalhar hoje?" Eu sempre digo a eles que "vou para o trabalho". Eu enfatizo que o meu trabalho é divertido. Esperançosamente, esse movimento de criação de filhos vale a pena e eles crescem para serem adultos felizes e bem ajustados. No mínimo, espero que cancele todos os alimentos não orgânicos que eu estou envenenando-os.

Mesmo que não haja mais nada que você queria estar fazendo com seu tempo, vender seu tempo por dinheiro é burrice.

Não me entenda mal, o dinheiro é ótimo e sua remuneração é uma parte importante da sua carreira. Mas se o trabalho que você está fazendo não estiver ajudando você a aprender novas habilidades, crescer em sua carreira e, finalmente, se tornar mais comercializável, você não terá nenhuma rede de segurança caso sua parceria com seu empregador termine.

E isso terminará, sempre terminará.

A nova realidade

Por muito tempo, o “trabalho por dinheiro” era bem direto e mutuamente benéfico: em troca de seu tempo, você continuaria sendo pago até se aposentar (e além, na maioria dos lugares). Mas todos sabemos que o velho compacto se foi: os funcionários saltam de emprego em emprego, as empresas eliminam cargos e usam mão-de-obra terceirizada, e a lealdade - de ambos os lados - é coisa do passado.

Muitos dos conselhos de carreira parecem sugerir que, em resposta a esse novo modelo de trabalho, todos nós devemos nos tornar agentes livres.

“Lance uma startup na sua garagem!”

“Construa sua plataforma!”

"Comece a consultoria!"

Essa mensagem é boa se você realmente quiser fazer isso, mas trabalhar para você não é para todos.

Uma alternativa é adotar uma mentalidade empreendedora dentro da empresa em que você trabalha. Em sua forma mais básica, empreendedorismo é sobre projetar, lançar e administrar um negócio. Adotar essa mentalidade no trabalho significa administrar sua carreira como se você estivesse administrando um negócio. Significa estar confortável com a ambigüidade e o risco. Isso significa nunca supervalorizar a receita (salário) no curto prazo em detrimento do crescimento de longo prazo.

Você ainda tem um chefe, é claro, mas não se concentre apenas em levar para casa um cheque de pagamento e manter seus chefes felizes. Em vez disso, você deverá constantemente se certificar de que o trabalho que você faz oferece um valor excepcional para a empresa e, ao mesmo tempo, beneficia você e seu currículo.

Além disso, você não se comprometerá com coisas como o aumento de mérito de congelamentos e as escalas de carreira. Sua carreira não acabou se alguém receber a promoção. Usando a mentalidade do empreendedor, você começa a gerar valor em um negócio que é sua carreira e, portanto, você está sempre bem protegido.

Visualizar o trabalho dessa maneira faz sentido para todos os envolvidos, mas isso não significa que seus empregadores concordarão. De fato, muitos não. Mas esse é o problema deles.

Reid Hoffman, co-fundador do LinkedIn e autor de The Alliance: Gerenciando Talento na Era Networked, tem uma ótima citação sobre essa mentalidade: “Uma funcionária que está trabalhando em rede, mantendo seu perfil no LinkedIn atualizado e pensando em outras oportunidades não é um passivo. Na verdade, essas pessoas empreendedoras, voltadas para o exterior e voltadas para o futuro provavelmente são exatamente o que sua empresa precisa mais. ”

Em outras palavras, se você está trabalhando em algum lugar que não aprecia seu espírito empreendedor, provavelmente deveria sair. E se você tem feito um trabalho verdadeiramente notável e significativo o tempo todo, encontrar um outro lugar para ir não deve ser tão difícil.

Fonte:MEDIUM.

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixar seu comentário

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
Anexos (0 / 3)
Share Your Location

Mais Lidos

Mobile Main Menu